Método ágil: o que é e quais são os seus princípios?
planejamento estratégico de ti
Planejamento estratégico de TI: veja a sua importância e como fazer
junho 22, 2018
consultoria de tecnologia
Afinal, o que posso esperar de uma consultoria de tecnologia?
julho 18, 2018

Método ágil: o que é e quais são os seus princípios?

método ágil

método ágil

A velocidade de entrega dos resultados de uma empresa, muitas vezes, está diretamente relacionado à estrutura dos processos de produção. Quanto maior e melhor estruturado o planejamento, maior o sucesso dos procedimentos.

Hoje, a inserção de técnicas que agilizam as etapas de produção com foco na qualidade do produto é um desafio para grande parte das instituições. Por isso, no post de hoje, vamos conhecer as origens dos métodos ágeis e como sua aplicação se tornou indispensável para empresas de todos os portes. Acompanhe!

As origens do método ágil

Para entendermos o que são os métodos ágeis e como eles impactam diretamente as soluções das empresas, antes, precisamos revisitar um método mais antigo e robusto chamado Lean.

O Lean é uma série de práticas aplicadas inicialmente em “chão de fábrica” nos processos fabris, e era utilizado na produção de bens manufaturados. Com ele, os produtos e serviços eram criados e distribuídos em quantidades exatas, no local certo, na hora certa e para o público certo.

Esse método ficou muito famoso no Japão por causa da Toyota, que estruturou todo o seu processo de produção com a finalidade de eliminar eventuais desperdícios.

Por estarem inseridos em uma época de escassez, causada pelo período pós guerra — por volta de 1940 até meados de 1950 — a perda de tempo e de materiais poderia ruir qualquer negócio. Sendo assim, tornou-se necessário uma criatividade aguçada que fosse capaz de refletir no tempo total da entrega (Leadtime).

O grande autor desse movimento é conhecido como Taichi Ohno, naquela época chefe das linhas de produção da Toyota. Ohno descreveu em um dos seus livros “Gestão dos Postos de Trabalho” que sempre buscou a melhoria continua de sua linha de produção, com muita observação nos processos e experimentação, adaptando-se para uma melhor performance, eliminação de desperdícios e qualidade como diferencial positivo.

As práticas Lean inspiraram o que hoje chamamos de métodos ágeis, que também visam a otimização das estruturas de produção, somadas a tecnologias adequadas para cada modelo de negócio, como conheceremos melhor a seguir.  

A definição do método ágil

O Método ágil — derivado do termo americano Agile — é uma forma de agir e pensar na gestão da empresa, departamento ou projeto, que pode impactar diretamente na produtividade.

O método consiste na aplicação de técnicas inteligentes na rotina de um negócio, que visa uma forma de agilizar a comunicação, mensurar resultados, facilitar o acesso aos dados por todos os envolvidos na corporação e antecipar entregas que tenham valor para os clientes.
Toda estratégia que visa a eliminação de qualquer tipo de desperdício — seja de tempo, de capital, de material etc. — estrutura-se como um potencial ágil.

O termo “ágil” é novo. Contudo, desde 2006 já existem ações estratégicas voltadas a esse tipo de serviço. A novidade não está na existência do método, mas sim, no quão importante o “ágil” se tornou na resolução dos desafios empresariais.

Técnicas que andam em conjunto com o método ágil

Por consistir em uma forma de se fazer a gestão, os métodos ágeis podem ser aplicados em conjunto com algumas ferramentas, entre elas, o design thinking, e a prototipação.

Design Thinking

Design Thinking é o conjunto de métodos e práticas de abordagem que objetiva resolver problemas relacionados a aquisições de informações, análise de conhecimento de situações e propostas de soluções.

Essa prática conta com técnicas de entrevista, pesquisa de política da empresa, questionários com os clientes e muitas outras. Além disso, vem ganhando adeptos ao redor do mundo por ter estudos aprofundados em Berkley, Massachussets e outras grandes instituições de ensino.

Prototipação

A prototipação é uma etapa do desenvolvimento de softwares que impacta na produtividade da equipe e nos resultados entregues ao cliente. É o processo que colabora com o entendimento do software que será desenvolvido.

Propõe melhorias, diminui riscos e aumenta os lucros. Podem ser visuais, escritos ou interativos.

Caracterizam-se como grandes aliados dos métodos ágeis de desenvolvimento por garantirem um maior alinhamento entre a equipe e o cliente.

Aplicando ágil em projetos

Na prática, é preciso ter muito conhecimento para aplicar técnicas que auxiliem projetos se tornarem de fato ágeis.
Para adotar os projetos ágeis é preciso que as empresas tenham ou adquiram uma certa maturidade. Essa maturidade consiste no abandono de modelos tradicionais de negócio e na adoção de práticas modernas e integradas.

Um exemplo prático: a área de TI de uma empresa atende diversas demandas das áreas de negócio. Se a área de TI não tiver uma estratégia definida de como solicitar essas demandas em um modelo estruturado, não é possível fazer uma previsão de processos e entregas daquela operação. É preciso que a empresa adote ações estruturais para depois adotar um modelo ágil de gestão.

Projetos em Cascata e GoHorse

Um framework feito no método ágil demanda muita organização, então as empresas acabam se confundindo. Existe uma dicotomia que ronda o termo “ágil”. As empresas acreditam que trabalham ou em um método ágil, ou em um modelo cascata, quando, na verdade, trabalham com outro modelo chamado Go Horse.

O modelo cascata (ou top down), em engenharia de softwares, consiste no desenvolvimento de projetos sequenciais em que a primeira etapa de produção se direciona para a segunda e assim sucessivamente. É extremamente documental (texto, infográficos e simulações) e funciona como base para projetos modernos.

Porém, quando existe pressa, falta planejamento e as outras opções de desenvolvimento não são consideradas, o trabalho entra no método Go Horse (ou extreme Go Horse). É o famoso “sigo as minhas regras”, o que é muito comum nas empresas.

Nesse método, para cada problema resolvido, outros são criados, além de serem baseados no esforço e não na entrega.

Para diferenciar esses modelos, na prática, vamos considerar uma equipe hipotética de dez pessoas que trabalharão por um período de 5 meses em um projeto. O gestor cria métodos que ocupam o tempo dos funcionários por esse período. No modelo ágil, a preocupação não é com o volume de trabalho, e sim, com a entrega. Primeiramente analisa-se a demanda para depois definir a entrega, priorizar as etapas, fazer o planejamento e escalar a equipe por atributos.

Por isso é preciso a participação integrada de todos os envolvidos em uma corporação. Não adianta, por exemplo, uma equipe de TI que precisa de um novo profissional para entregar um projeto e a equipe de RH demorar 6 meses para contratar essa pessoa. Esse é um exemplo de imaturidade na operação.

Contudo, não existem limitações para adotar as práticas ágeis. Estudiosos acreditam que dentro de 10 anos não haverá outro modelo de produção.
E para adotar as práticas mais assertivas para o seu modelo de negócio, torna-se essencial o trabalho em conjunto com uma consultoria de tecnologia, que cria dinâmicas integradas, direciona as tomadas de decisão e insere na organização os melhores aceleradores para cada tipo de organização.

O trabalho da Mooven com os projetos ágeis

A Mooven é uma empresa de consultoria, design e tecnologia, especializada na entrega Ágil de estratégias e soluções digitais que trabalha de ponta a ponta em empresas das mais diversas maturidades.

A missão da Mooven é adicionar novas práticas de pensamento, filosofia, e técnicas de gestão eficazes para promover essa agilidade na empresa. E para isso, ela faz uso das práticas de comunicação mais eficientes do mercado, fazendo a transformação corporativa e da área de TI.

Por não acreditar em mágica e sim em processos estruturais, podemos destacar a agilidade dos resultados que são obtidos a curto prazo, e até, muitas vezes, de imediato.

Além de levar um “big picture” para as empresas, a Mooven é dotada de expertise em práticas vencedoras para cada tipo de negócio, seja ele muito ou pouco maduro, promovendo a parceria com a área de governança, seja de TI, ou corporativa.

Esse trabalho em conjunto é indispensável para desenvolver a maturidade das empresas. Quando é feito a análise dos problemas encontrados na corporação, muitas vezes são diagnosticados profissionais que não estão indo bem, pessoas que não concordam com os projetos apresentados, e outros impedimentos que só podem ser resolvidos com a ajuda da governança.

E dessa forma, foram entregues projetos de sucesso e responsáveis por alavancar os resultados de empresas conhecidas não só em território nacional, mas em todo o mundo.

Agora que você já sabe como os métodos ágeis podem otimizar os processos internos do seu negócio, entre em contato com a Mooven e agende uma consultoria. Confira outros posts como esse em nosso blog!