Experiência do usuário: 5 práticas essenciais - Mooven Consulting
Saiba como otimizar o Product Backlog e deixá-lo saudável!
setembro 18, 2019
Os 7 erros mais comuns na hora de definir OKRs
outubro 11, 2019

Experiência do usuário: 5 práticas essenciais

Pensar na transformação de uma empresa envolve novas práticas e medidas, além de uma reavaliação completa da cultura organizacional. Nesse contexto, agregar valor às entregas tende a ser algo bem importante para gerar impactos positivos nos clientes. Por essa razão, a experiência do usuário é um assunto que chama cada vez mais atenção.

Com isso em mente, preparamos este conteúdo. Durante a leitura, você encontrará uma série de práticas essenciais para que essa estratégia ofereça o retorno esperado. Também explicaremos esse conceito e a importância que ele tem em diferentes cenários. Aproveite!

O que a experiência do usuário significa?

Em poucas palavras, podemos afirmar que a ideia de experiência do usuário consiste em analisar o porquê, como, onde, quando e quem utiliza o seu produto ou serviço. Na prática, isso implica em todos os fatores que afetam as interações dos usuários com o produto ou serviço em questão.

O objetivo das práticas relacionadas a ela é descobrir a melhor forma de solucionar potenciais problemas, com o intuito de criar uma melhor experiência sem deixar de trazer valor para o negócio. Por consequência, trata-se de um processo que mescla estudos, técnicas de pesquisa, estratégias, interação, interface, redação, arquitetura da informação e assim por diante.

Também conhecida como UX (user experience), ela vai do primeiro contato do cliente com a empresa até o pós-venda oferecido para o usuário final. Em virtude disso, muitas pessoas acabam confundindo essa experiência com a relação que os usuários têm com a interface de um site ou app. No entanto, a UX não se restringe a aspectos visuais e/ou funcionais, pois engloba diversos pontos ligados à relação entre cliente e empresa.

Tome um e-commerce como exemplo. Nesse tipo de ambiente, é fundamental oferecer uma vivência cômoda para que o usuário passe mais tempo nas páginas e se sinta à vontade para voltar quando quiser fazer suas compras. Se ele tiver experiências positivas com o atendimento, com a interface, com a divisão de categorias e com o sistema de vendas (frete, pagamento e afins), é bem provável que ele recomende a empresa para outras pessoas.

Para resumir o assunto, vale destacar os 4 pilares da UX:

  • Funcionalidade: é preciso cumprir o objetivo que motivou a criação de uma página ou aplicativo;
  • Utilidade: ela deve servir para oferecer algo palpável e útil;
  • Acessibilidade: o acesso deve ser facilitado;
  • Usabilidade: é preciso que a ferramenta em questão seja simples de usar.

Qual é a importância da experiência do usuário?

Como vimos até aqui, o conceito de UX é totalmente centrado no usuário, pois deve ser voltado a essa figura em todas as etapas da criação de produto ou serviço. Tanto é que, em qualquer estratégia digital, há uma necessidade incontornável de definir com bastante clareza quem ele é. Dessa forma, entre milhares de opções disponíveis no mercado, essa pessoa terá uma experiência positiva com determinada marca.

Ela é importante porque ninguém continua utilizando um produto ou serviço se essa vivência não for agradável, concorda? Como a finalidade é planejar a melhor solução para os usuários, ela ajuda a construir valor para o negócio, gerando diferenciais competitivos relevantes.

É oportuno ressaltar que, independentemente do meio — físico ou digital —, a user experience é indispensável para que o cliente relacione sua empresa à ideia de bem-estar. Afinal, o que é dito ou mostrado pode ser esquecido, mas sensações e sentimentos permanecem em nossa memória ao longo do tempo.

Quais são as práticas essenciais para oferecer uma boa experiência do usuário?

Agora que você já sabe o que esse conceito quer dizer e por que ele merece bastante dedicação por parte das empresas, é hora de conhecer algumas das práticas que podem ajudar na implementação e no sucesso dessa estratégia em seus projetos. Confira!

1. Crie personas

Personas são descrições aprofundadas de seu usuário/cliente ideal. Trata-se de uma representação que envolve não apenas dados, mas hábitos e preferências. Elas servem como ponto de partida para descobrir problemas e definir as respectivas soluções.

Portanto, pergunte-se: se seus clientes pudessem ser representados por uma única pessoa, como ela seria? Tal técnica serve para humanizar o usuário final, tornando tangíveis suas dores e suas necessidades.

2. Pense em uma jornada do usuário

O mapeamento da jornada do usuário é uma das ferramentas mais importantes de UX. Com ela, é possível identificar toda a trajetória do usuário com o produto ou serviço — do reconhecimento de necessidade à satisfação com a compra. Para isso, deve-se mapear todos os estágios dessa jornada completa com o objetivo de identificar o que o cliente sentiu e pensou em todos os passos.

Lembre-se de que a jornada é viva e dinâmica. Portanto, é preciso que ela simbolize não só o “caminho ideal” a ser percorrido, mas também englobe todos os obstáculos que possam aparecer no trajeto.

3. Teste cedo

Em muitos contextos, não importa o quanto você conhece sobre o tema, se segue métodos inovadores ou faz pesquisas constantes — a única pessoa que pode dizer se a experiência está funcionando e é agradável é o seu usuário. É por esse motivo que é tão importante testar, assim que possível, e colocar estas dicas em prática:

  • realize testes com usuários reais, que pertencem ao seu público-alvo;
  • colete feedbacks;
  • faça alterações, se necessário;
  • continue sempre refinando o seu produto em busca de melhores resultados, mesmo após o lançamento.

4. Construa protótipos

A prototipação é uma técnica essencial para validar soluções de forma rápida e com baixo custo. Depois da etapa de criação, quando as hipóteses da solução já estiverem construídas, é possível prototipar soluções e testá-las — seja com a própria equipe, seja com os usuários.

Um protótipo pode ser de baixa, média ou alta fidelidade, dependendo do nível de maturidade do projeto. Pode ser feito no papel, com softwares ou quaisquer ferramentas que estiverem à disposição. Essa é a hora de colocar a criatividade em primeiro lugar e tentar ao máximo representar a solução oferecida.

5. Considere o MVP

MVP ou “mínimo produto viável” é uma versão simplificada do seu produto, mas que já é capaz de entregar valor ao usuário. Ele ajuda a entender como a solução será utilizada e pode contribuir com o mapeamento de novas funcionalidades e caminhos a serem percorridos em prol da evolução do produto ou serviço.

A experiência do usuário abrange uma série de fatores e é determinante durante toda a relação entre o cliente ou usuário final com o seu negócio. Portanto, é necessário pensar em maneiras de otimizá-la.

Se você gostou do conteúdo e precisa de suporte especializado para melhorar a vivência de seus usuários, entre em contato com a Mooven!