Os 7 erros mais comuns na hora de definir OKRs - Mooven Consulting
Experiência do usuário: 5 práticas essenciais
outubro 2, 2019

Os 7 erros mais comuns na hora de definir OKRs

Os Objetivos e Resultados-Chave, mais conhecidos pela sigla em inglês OKR, vêm se tornando cada vez mais fundamentais dentro de empresas dinâmicas e em constante evolução que buscam pelo aumento da performance e produtividade dos colaboradores.

Mas implantar esse método ágil sem seguir algumas regras básicas pode fazer com que ele não seja efetivo, gerando assim erros que acabam impedindo que os objetivos principais sejam atingidos.

Continue acompanhando o texto para conferir os erros mais comuns na hora de definir OKRs.

1. Implementar OKRs sem antes promover uma mudança interna de mentalidade

Principalmente em organizações mais antigas e já consolidadas no mercado, qualquer tipo de ideia de alteração é recebida com resistência por boa parte dos colaboradores.

Por isso, promover uma mudança de mentalidade conjunta é imprescindível antes de iniciar a implementação de OKRs.

2. Definir metas subjetivas e/ou não mensuráveis

Palavras que podem ser interpretadas de mais de uma forma, como os adjetivos “excelente” e “perfeito”, devem ser evitadas, já que acabam impossibilitando uma mensuração correta.

Além disso, é importante entender que objetivos devem ser qualitativos e preferencialmente curtos, para que todos possam lembrar deles com facilidade. Ao mesmo tempo, vale ressaltar que resultados-chave são sempre quantitativos, já que são eles que definirão se as ações que estão sendo desempenhadas estão tendo o alcance esperado para o cumprimento do objetivo principal.

3. Estabelecer muitos objetivos e resultados-chave

Ao exagerar no número de OKRs na hora da definição, a probabilidade de não conseguir atuar da forma que deveria em cima de cada objetivo e resultado-chave aumenta, resultando assim no não cumprimento dos OKRs ao fim do período determinado, já que você fica sem tempo para dar atenção aos tópicos separadamente e precisa trabalhar “correndo” e “de qualquer jeito”.

4. Não entender a diferença entre cumprimento de tarefas e geração de resultados

Em um exemplo prático, de nada adianta determinar como seu resultado-chave 3 publicações diárias no Facebook durante uma semana, se o aumento esperado no número de curtidas para o período não acontecer. Você vai ter completado seu “resultado-chave”, mas ele não vai te ajudar a atingir o objetivo principal.

Por isso, é importante focar sempre nos resultados que você espera gerar com as ações planejadas, e determiná-los como resultados-chave.

5. Não envolver a equipe no processo

Não apenas na hora de definir suas OKRs, mas também durante o período em que aquelas serão as metas do seu time, é extremamente necessário envolver todos que possam ajudar a atingir os objetivos no processo, para que haja um alinhamento geral do que é preciso fazer para concretizá-los.

6. Deixar os OKRs em local que você não possa vê-los com facilidade

Além de dificultar o acesso a algo que deveria estar em local visível para todos, essa prática pode ainda fazer com que você e sua equipe esqueçam dos seus resultados-chave, não os mensurem de tempos em tempos e, consequentemente, não atinjam o objetivo primário ao final do período definido.

7. Não realizar um acompanhamento dos OKRs

É necessário checar ao menos uma vez a cada quinze dias (mas preferencialmente toda semana) se os resultados que estão sendo produzidos estão devidamente alinhados às expectativas iniciais, avaliando se os caminhos traçados até aquele momento precisam passar por revisão em caso negativo.

Pronto! Agora você já sabe como definir seus OKRs sem cometer alguns dos erros mais comuns dessa prática.

Se ainda tiver dúvidas, não hesite em entrar em contato conosco da Mooven Consulting! Somos especialistas em transformação ágil e podemos ajudar você e sua empresa nessa caminhada para a agilidade!