Design Thinking e Canvas: como aplicar no desenvolvimento de projetos?
Platform thinking: o que é e como usar para melhorar a agilidade e a inovação?
Platform thinking: o que é e como usar para melhorar a agilidade e a inovação?
fevereiro 19, 2019
UX e UI: entenda e se prepare para as principais tendências
UX e UI: entenda e se prepare para as principais tendências
fevereiro 26, 2019

Aplique mais Design Thinking e Canvas no desenvolvimento de projetos

Design Thinking e Canvas: como aplicar no desenvolvimento de projetos?

Design Thinking Canvas

Se destacar por meio de projetos e entregar soluções críticas de forma rápida, inovadora e colaborativa é o que todo grande executivo deve almejar. Felizmente, existem ferramentas como o Design Thinking Canvas que ajudam você no desenvolvimento desses projetos.

Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura!

O que é Design Thinking?

Como o próprio nome diz, Design Thinking é uma forma de você pensar o desenvolvimento de projetos como um designer. Ou seja, focar nas experiências do consumidor e público-alvo do produto para, dessa forma, buscar respostas aos possíveis problemas encontrados.

Quando você une essa abordagem de pensamento com o gerenciamento de projetos, fica mais fácil gerar um produto ou serviço de sucesso.

O Design Thinking utiliza muitas técnicas de interação social, experiências humanas e “personas” – personagens fictícios – para produzir algo. Além disso, também trabalha os conceitos de empatia, definição, idealização, prototipagem e testes. Isso permite colocar no mercado produtos e serviços mais viáveis e de forma mais rápida, o que gera uma economia sustentável e aprendizados mais completos.

O que é Canvas?

Já o Canvas é a ferramenta que ajuda na visualização de forma intuitiva de todos os aspectos importantes para o seu negócio. É como se ele diagramasse de forma mais clara o que são empregáveis, as definições, os riscos, pontos principais, prazos etc. isso por meio do segmento e relacionamento dos clientes, propostas de valor, canais, recursos, parcerias, fontes de receita e estrutura de custo.

A partir disso, a empresa pode discutir as melhores ações para o desenvolvimento de um projeto. Quando você utiliza o Canvas, está limitando e focando a sua análise apenas no que é essencial para promover uma maior satisfação ao consumidor. Sem dúvidas, isso ajuda a identificar as melhores oportunidades do mercado.

Como utilizar a metodologia no desenvolvimento de projetos?

Com a metodologia do Design Thinking é possível ter uma criação e prototipagem de um produto ou serviço para conseguir um feedback dos usuários antes do resultado final. Isso otimiza o desenvolvimento de um projeto. Em muitos casos, as empresas formulam projetos que não dão certo e só percebem isso ao final do processo, gerando altos custos.

Por que unir os dois?

A essa altura você já deve ter percebido que unir Design Thinking Canvas pode trazer bons frutos, certo? A junção desses elementos pode resultar em serviços e produtos mais rápidos, econômicos e eficientes. Além disso, é possível verificar se é preciso de novas alterações, mudanças estratégicas e/ou bloquear a operação. Tudo isso para oferecer o melhor ao seu público-alvo e fidelizar os clientes.

É como se o Canvas diagramasse o que foi levantado na abordagem do Design Thinking. O fluxo do diamante, por exemplo, apresenta um losango ao lado do outro, e permite que você abra o plano de ideais, feche e volte a abri-lo em outro momento para validar o que foi pensado e chegar a uma conclusão. Tudo isso de forma mais fácil de ser interpretada.

A ferramenta é usada desde 2010 com informações sobre determinados modelos de negócios. Ela funciona como uma espécie de condensação de todas as informações levantadas no preciso de Design Thinking, em que todo o seu insight é transformado de forma mais visual e tangível.

Apropriar-se do Design Thinking Canvas no mundo dos negócios é a melhor forma de conseguir trazer mais inovação a um negócio. Entender a percepção do mundo e das pessoas por meio do design é o que os bons gestores devem fazer para obter sucesso.

Enquanto isso, o Canvas tem uma visão mais macro, que guia o empreender a entender quais são suas hipóteses, capturar as complexidades e transformar o produto em algo de sucesso.

A união dessas metodologias permite trabalhar a criatividade com eficiência de forma mais potencializada. Além de juntar uma equipe para trabalhar focada em um objetivo comum e adaptar os modelos a qualquer tipo de iniciativa.

Como aplicar na prática?

Para criar ideias inteligentes e criativas, os designers precisam de inspiração. Para isso, é preciso identificar o que os clientes querem e necessitam por meio da etapa da “descoberta” e aproximação com eles. É preciso conversar, viver a realidade deles e colocar-se em seus lugares.

Depois disso, as descobertas conseguidas são levadas para a etapa de “definição de ideias” e assim, atender as necessidades encontradas. O Canvas entra nessa etapa como uma ferramenta fundamental, já que permite a visualização de tudo em uma única página.

As ideias podem ser movidas e descartadas no quadro do Canvas enquanto não se chega em uma conclusão. O importante é pensar em ideias inovadoras e críticas.

Depois de criar ideias, é a vez agora de criar soluções. Isso ocorre a partir da filtragem das ideias inovadoras, a chamada etapa da “Ideação”. Nela, ocorre a cocriação no formato de brainstorming para brincar com ideais malucas e estimular ainda mais a criatividade na geração de soluções.
Feito isso, chegamos na etapa da “Elaboração”’, em que é preciso trabalhar de forma interativa e incremental. Mais uma vez o Canvas pode auxiliar esse processo, que mesmo não precisando ser bem detalhado, deve ser bem definido.

Agora chegou a vez da etapa da “Implementação”, o momento de fazer a nova gestão acontecer e materializar o projeto. O resultado desse trabalho deve ser entregue em duas fases.

Na primeira, chamada de experimentação, você valida as soluções que foram produzidas por meio de um protótipo que deve avaliar o potencial do produto criado, testar sua funcionalidade e adaptá-la de acordo com as respostas entendidas pelos gestores, até acertar 100%.

Na etapa de evolução, você deve testar todas as fases acima, em uma espécie de looping, até que se sinta confiante o suficiente para, por fim, escalar o produto por toda a organização.

Aplicando todas as etapas acima do Design Thinking Canvas, você aumenta as suas chances de êxito no produto final e de conquistar clientes na sua gestão. Isso é extremamente importante, principalmente com a alta competitividade do mercado. Além disso, você ainda pode trazer mais eficiência e modernização para o seu negócio.

E aí, gostou deste post? Aproveite a visita em nosso blog, dê uma olhada em nossas outras publicações sobre os tipos de design que oferecemos, e não deixe de conferir o texto sobre como aliar user experience (UX) a user interface (UI) para tornar-se especialista no assunto!